Sábado, 23 Janeiro 2010 21:08    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
CARTA ABERTA, apoios financeiros directos ao TEATRO
Avaliação: / 0
FracoBom 

 

sexta-feira, 22 de Janeiro de 2010

http://1.bp.blogspot.com/_TyyyD7bDqJM/SL_viDGbpqI/AAAAAAAAASs/Agi4sXdlbWc/S1600-R/blog.jpg

CARTA ABERTA

Ex.mo Sr. Presidente da Câmara Municipal de Beja,

 

Tomei a liberdade de dirigir-lhe esta carta esperando que a mesma receba da sua parte a melhor das atenções. Sou uma jovem alentejana, natural de Beja, profissional ligada às artes, mas não artista e escrevo-lhe para lhe apresentar a minha indignação. Na qualidade de produtora de uma suposta associação de actividades culturais denominada drAMA, encontro-me actualmente a formular a candidatura aos apoios financeiros directos, do tipo anual, do Ministério da Cultura.

Com efeito, é preciso preencher os respectivos formulários neles devendo constar dados como: a identificação completa da entidade que se candidata, a sua natureza juridica, a sede e zona onde exerce maioritariamente a sua actividade, um breve historial da entidade, notas biográficas acerca dos responsáveis pela direcção artística e pela gestão administrativa e financeira. Note-se que até aqui estão, para já, envolvidas, pelo menos, três pessoas.

De seguida, nos ditos formulários deve a associação dar conta do seu Plano de Actividades sendo que a drAMA associação se assume como uma estrutura de criação na área do teatro, as propostas que fazemos para um ano de actividade cinjem-se a 4 estreias o que equivale a dizer que temos três meses de preparação e exibição para cada uma (12/4=3). Subjacente a cada trabalho/actividade/peça devem estar descritos os objectivos artísticos e profissionais, as linhas de orientação e estratégias de desenvolvimento, o que considero muito salutar, pelo que somos convidados a dar também conta dos mesmos nos respectivos formulários do Ministério da Cultura ou o mesmo será dizer da Direcção Geral das Artes. Mas não só!

Fazer uma candidatura aos apoios directos do Ministério da Cultura obriga ainda a que indiquemos quais as actividades a desenvolver em território nacional e no estrangeiro, que indiquemos como e por quem são constituídas as equipas artísticas e técnicas, que explanemos acerca do público-alvo que visamos atingir e das iniciativas de captação e sensibilização de públicos que iremos desenvolver. Há ainda que desenvolver um plano de comunicação gizado para atingir tais objectivos.

E, num outro formulário não menos importante, devemos fazer toda a previsão orçamental do ano indicando estimativas orçamentais, tais como: os encargos com pessoal, espaço, equipamentos, produção, gestão, comunicação e outros e ainda receitas estimadas, tais como: receitas próprias, leia-se bilheteira, acordos de co-produção, patrocínios, mecenato e outros apoios e financiamentos.

Dá trabalho, senhor Presidente. Também dá gozo, é verdade, mas dá trabalho preencher tanta papelada para no final concluirmos que (e é para estes dados numéricos que chamo a sua atenção) para concluirmos que o Ministério da Cultura(MC) atribui, em 2010, apenas e só 85 mil euros às estruturas de criação. Faça as contas senhor Presidente. O Alentejo tem o distrito de Portalegre (15 concelhos), de Évora (14 concelhos) e de Beja (14 concelhos). Temos 43 concelhos. Se cada um deles tivesse uma estrutura de criação (que bem pode ser o caso), teríamos um apoio na ordem dos 11% já que o MC apenas apoia 5 estruturas.

Estas tanto poderão ser da área das artes plásticas e fotografia, como de cruzamentos disciplinares, como de dança, música ou teatro. O que me leva a concluir que o teatro pode nem sequer ser contemplado no final da avaliação do MC.

Repare: o Alentejo é a única região cujos apoios têm 2 digitos (85 000), o Algarve (com apenas1 distrito/Faro) poderá ser apoiado com 108 000, o Centro com 375 000, Lisboa e Vale do Tejo com 485 000 e o Norte com 575 000.

Ora se fizermos as contas e dividirmos os 85 000 do Alentejo pelas cinco candidaturas a apoiar facilmente concluímos que a cada uma respeitára apenas 17 000 euros. Falemos de moeda antiga para isto soar mais real: 17 000 euros são, nada mais, nada menos, que 3400 contos.

Ora bem! Uma estrutura como a drAMA tem um director artístico que é ao mesmo tempo responsável financeiro, encenador e actor, uma produtora que é ao mesmo tempo cenógrafa e figurinista, duas actrizes, um técnico de som e um técnico de luz. Contabilizámos 6 pessoas. Se cada um ganhar 1000 euros, à excepção dos técnicos que são contratados à hora, tínhamos ao final do ano 48 000 euros. Isto, está claro, a recibos verdes. Sem segurança social, sem irs, sem subsídio de alimentação, sem seguro de saúde.

Depois há muitas mais contas a fazer (deslocações, cenários, adereços, consumiveis, cartazes, etecetera, etecetera), mas pensemos apenas na renda. Alugamos um espaço por 500 euros mensais o que perfaz, no final de cada ano, a módica quantia de 6 000 euros.

Ora veja só a importância que a Autarquia que dirige assume neste panorama. A sua e as restantes do distrito. Se não for o poder autárquico a apoiar as estruturas de criação, nomeadamente através de subsídios e da cedência de espaços como poderemso subsistir? Com mecenato? De quem? Do LACameirinha? Da EDAB? Da EDIA? As grandes empresas do concelho? Com a bilheteira dos espectáculos? Com a itinerância?

O MC não cumpre a sua tarefa de descentralização da oferta cultural. O MC não cumpre com a sua função de corrector de assimetrias regionais. O MC não concorre para a consolidação das entidades e actividades de criação.

Estruturas como drAMA criam postos de trabalho, oferecem serviços educativos, promovem estratégias de sensibilização de públicos, são instrumentos de desenvolvimento económico e de qualificação e, ainda, de inclusão e coesão sociais.

Por tudo o acima exposto, senhor Presidente vou colocar-me ao lado dos protestos que terão lugar no próximo dia 27, em Moura, e que reunem 3 estruturas da região: os grupos de teatro "3 em Pipa", de Odemira; "Teatro Fórum", de Moura e "Lêndias d' Encantar", de Beja".

Contamos com o seu apoio para a prossecução dos nossos objectivos, a bem da cidade de Beja, do concelho e da região.

Assinado,

drAMA (real)



[12.07.2008.jpg]

cultura

Ministra insatisfeita com "discrepância" nos apoios às artes para Alentejo promete "alterar" situação

22 | 01 | 2010   18.10H

A ministra da Cultura afirmou-se hoje insatisfeita com a "discrepância" existente entre os apoios anuais às artes para o Alentejo e os previstos para outras regiões, garantindo que vai "alterar" a situação, contestada por agentes culturais alentejanos.

Destak/Lusa

"Não gosto. Não fico nada satisfeita por saber que há uma região do país que, à partida, é condicionada do ponto de vista dos apoios. É uma situação que eu irei alterar", afirmou Gabriela Canavilhas.

Durante uma deslocação a Évora, em que visitou a Biblioteca Pública e o Museu da cidade, assim como a Sé e o Museu de Arte Sacra, a ministra foi questionada sobre críticas de agentes culturais alentejanos aos apoios anuais, para a região, concedidos pela Direcção-Geral das Artes (DGArtes).

O grupo Teatro Fórum de Moura, do distrito de Beja, enviou mesmo uma carta aberta à ministra da Cultura, que inclui um apelo para o aumento do financiamento destinado ao Alentejo, a região "mais prejudicada" no concurso deste ano, segundo alega.

Outros agentes culturais da região, contactados pela Lusa, mostraram-se solidários com a posição desta companhia teatral e está até marcada para a próxima quarta-feira, em Moura, uma conferência de imprensa, que vai juntar três companhias.

O Teatro Fórum de Moura, a companhia Lendias d'Encantar (Beja) e a associação 3 em Pipa (Odemira) vão divulgar uma posição conjunta sobre a "discriminação" do Alentejo na distribuição das verbas.

A ministra da Cultura referiu hoje que é a DGArtes que se encarrega destes apoios e que o titular da pasta da Cultura não pode estar "constantemente a sobrepor-se e a intervir" nas "competências de cada um dos serviços".

Gabriela Canavilhas prometeu que esta situação "irá ser resolvida de outra forma", procurando "encontrar outras parcerias, junto dos agentes culturais" da região, que "permitam outras produções e que minimizem esta aparente discriminação" do Alentejo.

"Que não é [discriminação]. Vem na sequência de práticas passadas, mas tudo faremos para minimizar essa discrepância", afiançou.

A visita de hoje da ministra a Évora incluiu ainda encontros com agentes culturais locais e uma reunião de trabalho com a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Alentejo e a Universidade e Município de Évora, assim como uma recepção, em Crato, Portalegre, com os 47 autarcas da região.

Gabriela Canavilhas considerou esta "política de proximidade" como sendo “fundamental” para "conhecer o terreno" e ter em consideração "as opiniões e as reflexões daqueles a quem as decisões se destinam".

 

 

 

 



Tags: que  para  com  uma  como  não  apoios  dos  cultura  região  alentejo  teatro  beja  das  sua  cada  euros  culturais  artes  ministra  
 

Your are currently browsing this site with Internet Explorer 6 (IE6).

Your current web browser must be updated to version 7 of Internet Explorer (IE7) to take advantage of all of template's capabilities.

Why should I upgrade to Internet Explorer 7? Microsoft has redesigned Internet Explorer from the ground up, with better security, new capabilities, and a whole new interface. Many changes resulted from the feedback of millions of users who tested prerelease versions of the new browser. The most compelling reason to upgrade is the improved security. The Internet of today is not the Internet of five years ago. There are dangers that simply didn't exist back in 2001, when Internet Explorer 6 was released to the world. Internet Explorer 7 makes surfing the web fundamentally safer by offering greater protection against viruses, spyware, and other online risks.

Get free downloads for Internet Explorer 7, including recommended updates as they become available. To download Internet Explorer 7 in the language of your choice, please visit the Internet Explorer 7 worldwide page.