Quarta, 24 Março 2010 18:55    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Instituições de três países querem dinamizar caminhos de Santiago
Avaliação: / 2
FracoBom 

 

http://1.bp.blogspot.com/_13cD-ezbpcg/SINVbc2agRI/AAAAAAAAAUQ/OqraSi9kfjA/s400/Caminho%2Bde%2BSantiago.jpg

Instituições de três países querem dinamizar caminhos de Santiago

24.03.2010 - 16:55 Por Lusa

 

Três instituições de Portugal, Espanha e França apresentam quinta-feira um projecto para redescobrir e dinamizar itinerários, recuperar património e criar albergues e pontos de apoio aos peregrinos do caminho da peregrinação a Santiago de Compostela.

 

O “Loci Iacobi – Lugares de Santiago”, promovido pelo governo autónomo da região espanhola da Galiza, Comunidade Urbana da cidade francesa de Le Puy-en-Velay e Diocese de Beja, é apresentado no Seminário Internacional “O Caminho de Santiago e a Identidade Europeia”, que vai decorrer no Centro Cultural de Alvito (Beja).

“O principal intuito é contribuir para dinamizar itinerários usados ao longo dos séculos pelos peregrinos”, redescobrindo os “outrora famosos mas que caíram no esquecimento”, como os do Baixo Alentejo, e criar novos, explicou hoje à Lusa o director do Departamento do Património Histórico e Artístico (DPHA) da Diocese de Beja, José António Falcão.

Em Espanha e França, a marcação dos itinerários “está a ser feita com grande disciplina e há uma articulação de esforços entre as autoridades diocesanas e civis”, mas em Portugal “há a tendência de cada concelho marcar unilateralmente o seu caminho de Santiago”.

“Isto é complicadíssimo” porque “muitos dos caminhos não foram marcados com critério científico, não são reconhecidos pela Igreja, desembocam no nada, não têm continuidade e, por isso, não são praticáveis”, disse.

“Não se pode actuar isoladamente. A organização é a chave do sucesso”, frisou, defendendo que “é necessário um esforço concertado”, aos níveis nacional e internacional.

O projecto, orçado em um milhão de euros e que irá decorrer até final de 2011, vai “identificar os itinerários mais praticáveis” para “obter a sua homologação pelas entidades religiosas e civis”, ou seja, as dioceses, a Junta da Galiza e a Unesco, explicou José António Falcão.

Depois, “é preciso criar condições de circulação, albergues e pontos de apoio”, “uma das grandes lacunas com que se deparam os peregrinos”, e “recuperar e tornar acessíveis os monumentos e outros valores culturais e naturais associados ao Caminho”.

Após a restauração da independência de Portugal, lembrou, por “motivos nacionalistas” e “porque se pensava que o Caminho de Santiago era uma coisa espanhola”, o caminho português “entrou em decadência e praticamente morreu no sul” e “manteve-se no Norte, mas de forma decadente”.

Nos últimos anos, os antigos itinerários dos caminhos existentes no território abrangido pela diocese de Beja, a segunda maior de Portugal, têm vindo a ser redescobertos por investigadores e peregrinos e recuperados pelo DPHA.

Ao longo do território existem “alguns dos principais itinerários do Caminho de Santiago no Sudoeste Peninsular”, como o chamado “Caminho Atlântico”, que “é o mais conhecido e o que regista maior número de peregrinos” e entra no Alentejo por S. Teotónio (Odemira) e tem “referências importantes em Odemira, Santiago do Cacém e Alcácer do Sal”, disse José António Falcão.

Além da apresentação do “Loci Iacobi – Lugares de Santiago”, o seminário, organizado pelo DPHA, vai reflectir sobre o passado, presente e futuro do Caminho de Santiago e dar a conhecer a experiência e as perspectivas das instituições envolvidas no projecto.


Posted: 2010-03-24 17:55:00

 

 

Mapa dos Caminhos Portugueses de Santiago na Idade Média

Mapa dos Caminhos de Santiago na Europa Medieval

 



Tags: santiago  caminho  que  itinerários  dos  caminhos  peregrinos  não  instituições  por  portugal  dinamizar  projecto  beja  três  criar  para  pelo  com  uma  
Actualizado em ( Sexta, 26 Março 2010 09:11 )
 

Your are currently browsing this site with Internet Explorer 6 (IE6).

Your current web browser must be updated to version 7 of Internet Explorer (IE7) to take advantage of all of template's capabilities.

Why should I upgrade to Internet Explorer 7? Microsoft has redesigned Internet Explorer from the ground up, with better security, new capabilities, and a whole new interface. Many changes resulted from the feedback of millions of users who tested prerelease versions of the new browser. The most compelling reason to upgrade is the improved security. The Internet of today is not the Internet of five years ago. There are dangers that simply didn't exist back in 2001, when Internet Explorer 6 was released to the world. Internet Explorer 7 makes surfing the web fundamentally safer by offering greater protection against viruses, spyware, and other online risks.

Get free downloads for Internet Explorer 7, including recommended updates as they become available. To download Internet Explorer 7 in the language of your choice, please visit the Internet Explorer 7 worldwide page.