Quinta, 07 Maio 2009 13:10    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Regulamentação da pesca lúdica no Sudoeste alentejano é elogiada mas não escapa a críticas 
Avaliação: / 0
FracoBom 
O presidente da Câmara de Odemira, António Camilo, está satisfeito com os progressos alcançados com as alterações, ao contrário das portarias de Fevereiro, que justificaram o seu "repúdio" pelas restrições impostas.
Os autarcas lembram que a pesca tem muito peso nas economias locais
Autarcas e associações dizem que se podia ter ido mais longe
Regulamentação da pesca lúdica no Sudoeste alentejano é elogiada mas não escapa a críticas 
07.05.2009 - 10h10 Carlos Dias

Ainda é cedo para saber se a publicação da Portaria 458-A/2009 de 4 de Maio, que altera algumas disposições das portarias 143 e 144/2009 de 5 de Fevereiro e revoga a Portaria 868/2006 destinadas a regulamentar o exercício da apanha e da pesca lúdica no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina (PNSACV) é decisiva para pacificar autarquias e movimento associativo.

Apesar de o Governo ter reconhecido a pertinência de algumas das reivindicações expressas pelos opositores àquelas portarias, tanto o presidente da câmara de Vila do Bispo, Gilberto Viegas, como o dirigente da Associação dos Apanhadores e Pescadores Lúdicos, Carlos Carvalho, partilham de um ponto de vista comum: há melhorias, mas podia ter-se ido mais longe.

O presidente da Câmara de Odemira, António Camilo, está satisfeito com os progressos alcançados com as alterações, ao contrário das portarias de Fevereiro, que justificaram o seu "repúdio" pelas restrições impostas. Gilberto Viegas constata que "há melhorias significativas" em relação à anterior portaria, mas diz ter dificuldade em perceber como é que uma das alterações expressas volta a contemplar o defeso à pesca do sargo. Não compreende que passe de três meses para dois, quando se está "a falar de pesca à cana", observa.

Para mais, prossegue, quando se sabe que há períodos no Inverno em que por causa do temporal "ninguém vai pescar" nas escarpas que caracterizam a costa do Barlavento algarvio, "a existência de um defeso não faz sentido", acentua o autarca.

O seu congénere de Odemira, António Camilo, está mais optimista com o teor da nova portaria: "As coisas melhoraram"; acrescenta que ainda não teve reacções dos pescadores no sentido de continuarem a opor-se à legislação para a pesca lúdica. Mas adverte: "Como acontece com todas as leis, vamos ver se vai ajustar-se à realidade."

António Camilo acentua que a pesca lúdica "tem peso na economia familiar e local", frisando que se sente o efeito nos meses de férias que trazem até à costa alentejana e vicentina milhares de pessoas que "alugam quartos para poderem pescar à cana um ou outro sargo". Pela experiência que tem desta realidade, "o prazer lúdico de pescar é determinante" no comportamento das pessoas que a praticam. Apesar de afirmar que não é "partidário da porta aberta", defende qua a legislação "tem que se ajustar ao sentir das pessoas".

Mais crítico, Carlos Carvalho, sepois da interpretação que faz das alterações à portaria, diz que continua a não entender "as restrições com base na preservação e os impactes ambientais" nos ecossistemas costeiros, quando há um conjunto de actividades que contribuem "significativamente para o declínio das espécies da fauna marinha", referindo os focos poluentes que continuam a prevalecer ao longo da costa alentejana.

Um aspecto importante que não foi contemplado e merece a sua crítica incide sobre a discriminização positiva que devia ser estabelecida para todos aqueles que praticam a pesca e a apanha lúdica.


Posted: 2009-05-07 12:10:00

publico

 

 

 

07.05.2009 - 12h32 - Anónimo, Seixal

Pelo que li esta tudo mal feito, não é a quantidade de peixe a cana que se deve controlar mas sim a forma ilegal e inrresponsavel de quem pesca em sitios prigosos, que muitas vezes causam mortes e milhares de euros em salvamentos de idiotas.

 



Tags: que  pesca  das  não  para  com  mas  lúdica  mais  portaria  portarias  antónio  tem    ter  costa  está  camilo  alterações  sudoeste  
Actualizado em ( Quinta, 07 Maio 2009 16:39 )
 

Your are currently browsing this site with Internet Explorer 6 (IE6).

Your current web browser must be updated to version 7 of Internet Explorer (IE7) to take advantage of all of template's capabilities.

Why should I upgrade to Internet Explorer 7? Microsoft has redesigned Internet Explorer from the ground up, with better security, new capabilities, and a whole new interface. Many changes resulted from the feedback of millions of users who tested prerelease versions of the new browser. The most compelling reason to upgrade is the improved security. The Internet of today is not the Internet of five years ago. There are dangers that simply didn't exist back in 2001, when Internet Explorer 6 was released to the world. Internet Explorer 7 makes surfing the web fundamentally safer by offering greater protection against viruses, spyware, and other online risks.

Get free downloads for Internet Explorer 7, including recommended updates as they become available. To download Internet Explorer 7 in the language of your choice, please visit the Internet Explorer 7 worldwide page.