Quarta, 13 Julho 2011 09:00    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Regulamento n.º 422/2011, D.R. n.º 133, Série II de 2011-07-13
Avaliação: / 0
FracoBom 

DATA : Quarta-feira, 13 de Julho de 2011

NÚMERO : 133 SÉRIE II

EMISSOR : Município de Odemira

PARTE : PARTE H

DIPLOMA/ACTO : Regulamento n.º 422/2011

SUMÁRIO : Projecto de Regulamento da Componente de Apoio à Família

PÁGINAS : 29360 a 29362

TEXTO :

Regulamento n.º 422/2011

No uso das competências que se encontram previstas na alínea a) do n.º 2 do artigo 53.º, e, alínea a) do n.º 6 do artigo 64.º, ambos da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com a redacção introduzida pela Lei n.º 5-A/2002, de 11 de Janeiro, torna-se público, que em conformidade com o disposto no artigo 118.º do Código do Procedimento Administrativo, se encontra em apreciação pública pelo prazo de 30 dias úteis a contar da data da publicação no Diário da República, o Regulamento da Componente de Apoio à Família, aprovado em Projecto, por unanimidade, em reunião ordinária da Câmara Municipal realizada em 5 de Maio de 2011, o qual a seguir se transcreve.

No decurso desse período o Projecto de Regulamento da Componente de Apoio à Família, encontra-se disponível para consulta nos serviços de atendimento ao público da Câmara Municipal de Odemira, onde poderá ser consultado todos os dias úteis, das 9 horas às 16 horas, bem como no sítio do Município na Internet (www.cm-odemira.pt), devendo quaisquer sugestões, ser formuladas por escrito e dirigidas à Câmara Municipal de Odemira até às 16 horas do último dia do prazo acima referido.

30 de Junho de 2011. - O Presidente da Câmara, José Alberto Candeias Guerreiro.

Projecto de Regulamento da Componente de Apoio à Família

Nota introdutória

No âmbito do Programa de desenvolvimento e Expansão da Educação Pré-escolar e considerando:

A Lei n.º 5/97, de 10 de Fevereiro, que consigna os objectivos da educação pré-escolar e prevê que, para além dos períodos específicos para o desenvolvimento das actividades pedagógicas, curriculares ou lectivas, existam actividades de animação e apoio às famílias, de acordo com as necessidades destas (artigo 12.º);

O Decreto-Lei n.º 147/97, de 11 de Julho, que regulamenta a flexibilidade do horário dos estabelecimentos de educação pré-escolar, de modo a colmatar as dificuldades das famílias e que vem estatuir que "os pais e encarregados de educação comparticipam no custo das componentes não educativas de educação pré-escolar, de acordo com as respectivas condições sócio-económicas" (n.º 2 do artigo 6.º);

O Despacho Conjunto n.º 300/97, de 9 de Setembro, que define as normas que regulamentam a comparticipação dos pais e encarregados de educação no custo (máximo) das componentes não educativas dos estabelecimentos de educação pré-escolar;

O Decreto-Lei n.º 144/2008, de 28 de Julho, cujo objecto é a transferência de atribuições e competências para os municípios em matéria de educação, de acordo com o regime previsto na Lei n.º 159/99, de 18 de Setembro, nomeadamente, as transferências em matéria de educação pré-escolar da rede pública ao nível da componente de apoio à família, como sendo o fornecimento de refeições e o apoio ao alargamento de horário;

Considerando ainda as indicações do Ministério da Educação de Março de 2002, através da publicação "Organização da Componente de Apoio à Família", do Departamento da Educação Básica - Núcleo de Educação Pré-escolar, bem como a missão e visão do Projecto Educativo Municipal do Concelho de Odemira.

A Câmara Municipal de Odemira aprova o Regulamento da Componente de Apoio à Família, de acordo com diplomas supra referidos.

PARTE I

Regras de acesso

Artigo 1.º

Objecto e âmbito

O presente Regulamento tem por objecto definir o funcionamento da componente de apoio à família nos estabelecimentos de educação pré-escolar da rede pública da área do município de Odemira.

Artigo 2.º

Actividades

A componente de apoio à família a que se refere o artigo anterior integra as seguintes modalidades:

a) Fornecimento de almoço;

b) Apoio ao prolongamento de horário;

c) Apoio às interrupções lectivas e período não lectivo.

Artigo 3.º

Fornecimento de almoço

1 - O fornecimento de almoço decorrerá em horário a acordar com os respectivos agrupamentos de escolas e constará do serviço de uma refeição completa e seu acompanhamento.

2 - Esta actividade será comparticipada pelo Município, de acordo com as respectivas condições sócio-económicas dos requerentes, em conformidade com a Acção Social Escolar da Câmara Municipal de Odemira.

3 - O fornecimento de almoço efectua-se durante todo o período lectivo e sempre que se verifiquem as condições necessárias para a realização de actividades de apoio nas interrupções lectivas e/ ou período não lectivo.

Artigo 4.º

Actividades de apoio ao prolongamento de horário, Interrupções lectivas e período não lectivo

1 - A actividade de apoio ao prolongamento de horário consiste em proporcionar às crianças actividades de animação diárias complementares das actividades educativas e funciona das 15 h 30 às 17 h 30 e das 15 h 30 às 19 h 00.

2 - A actividade de apoio nas interrupções lectivas consiste em proporcionar às crianças actividades de animação lúdica e pedagógica durante as interrupções lectivas, a tempo inteiro (dia) ou parcial (1/2 dia), condicionada pela carga horária das animadoras e auxiliares.

3 - A actividade de apoio no período não lectivo consiste em proporcionar às crianças actividades de animação lúdica e pedagógica, a tempo inteiro (dia) ou parcial (1/2 dia), desde o término do ano lectivo até ao dia 31 de Julho, condicionada pela carga horária das animadoras e auxiliares.

4 - Durante os meses de Agosto e Setembro não haverão actividades de apoio.

5 - Cada criança deverá permanecer nas actividades apenas o tempo indispensável, de acordo com as necessidades da família.

6 - A implementação destas actividades em cada estabelecimento de educação pré-escolar e a sua duração diária dependem:

a) Da inscrição de um mínimo de 3 crianças em cada estabelecimento;

b) Da inexistência na localidade onde o estabelecimento se encontra implantado, de instituições públicas, privadas ou cooperativas susceptíveis de garantir a respectiva prestação em condições similares às previstas no presente regulamento;

c) Da existência de condições que garantam a presença de uma animadora e de uma assistente operacional/auxiliar de acção educativa.

Artigo 5.º

Condições de acesso

1 - O fornecimento de almoço abrange a totalidade de crianças inscritas que frequentem o estabelecimento de ensino, desde que em conformidade com a Acção Social Escolar da Câmara Municipal de Odemira.

2 - O acesso à Actividade de apoio ao prolongamento de horário e à Actividade de apoio nas interrupções lectivas e período não lectivo, exige:

a) A inscrição, em impresso próprio, disponível nas sedes dos Agrupamentos de Escolas;

b) A apresentação de declaração da segurança social onde conste o escalão do abono de família correspondente à criança;

c) A apresentação de declaração da entidade patronal dos progenitores/educadores da criança que comprove a necessidade de frequência da Actividade de apoio ao prolongamento de horário no período das 17 h 30 às 19 h 00;

d ) A apresentação de declaração da entidade patronal (de ambos os progenitores) que comprove o não usufruto do período de férias no mês de Julho, por parte dos mesmos.

3 - Poderão ainda ter acesso as crianças que comprovem, através da apresentação de relatório psico-social, a necessidade de frequência destas actividades, não obstante o exposto nas alíneas c) e d ) do número anterior.

4 - Os documentos referidos nos números anteriores deverão ser apresentados no acto da matrícula, sendo que as inscrições fora desse prazo devem ser devidamente justificadas.

Artigo 6.º

Comparticipação familiar e pagamentos

1 - Actividades de apoio ao prolongamento de horário, interrupções lectivas e período não lectivo:

1.1 - O valor da comparticipação familiar é calculado em função do escalão de abono de família atribuído à criança, em conformidade com a seguinte tabela:

(ver documento original)

1.2 - Os encarregados de educação devem efectuar o pagamento mensal, nas datas acordadas com a auxiliar/animadora desde que até ao 10.º dia do mês seguinte a que dizem respeito, correspondente ao número de semanas em que usufruíram do apoio das actividades.

1.3 - O atraso na liquidação da mensalidade por mais de 15 dias implica a suspensão da frequência das actividades, até regularização do pagamento.

1.4 - O pagamento deverá ser efectuado, em numerário, ao funcionário municipal em serviço no Jardim-de-infância.

1.5 - No final de cada ano lectivo ou antes, se solicitado, será entregue aos encarregados de educação uma Declaração das despesas efectuadas para efeitos de IRS.

2 - Fornecimento de refeições:

2.1 - Os encarregados de educação devem efectuar o pagamento das refeições, em conformidade com o acordado no início de cada ano lectivo e com a Acção Social Escolar do Município de Odemira.

Artigo 7.º

Faltas e desistências

1 - No caso de desistência e ou faltas, os encarregados de educação devem observar as seguintes normas:

1.1 - Actividades de apoio ao prolongamento de horário, interrupções lectivas e período não lectivo:

a) As desistências devem ser comunicadas por escrito à funcionária do Município, em serviço no Jardim-de-infância, com uma antecedência mínima de 3 dias úteis, devendo esta remeter a desistência aos Serviços da Educação do Município com urgência;

b) É dispensado do pagamento do valor da(s) semana(s) correspondente(s):

O aluno que faltar 3 ou mais dias consecutivos por motivo de doença, desde que devidamente justificado por escrito (declaração/atestado médico)

Por ausência das condições necessárias à actividade (faltas do pessoal docente e ou não docente, obras no estabelecimento, etc.) por 3 ou mais dias consecutivos;

1.2 - Fornecimento de almoços:

a) O pagamento da refeição diária apenas é dispensado quando a falta é comunicada com o mínimo de um dia de antecedência.

PARTE II

Regras de funcionamento das actividades

Artigo 8.º

Pessoal

1 - A componente de apoio à família deve ser assegurada por pessoal com formação adequada às funções exigidas; assistentes operacionais e animadoras/es com formação específica e ou currículo relevante.

2 - Nas actividades de apoio ao prolongamento de horário, interrupções lectivas e período não lectivo, o/a animador/a deverá contar sempre com o apoio de um/a assistente operacional, sob pena de não se verificarem as condições necessárias à realização da actividade.

3 - No horário de componente lectiva, e na falta da educadora, o/a animador/a apenas poderá realizar actividades de animação sócio-educativa, desde que exista conhecimento prévio e aprovação do órgão de gestão de que depende o estabelecimento de ensino e dos serviços competentes do Município.

4 - Na falta da/o assistente operacional, o/a animador/a poderá apoiar o/a educador/a, executando todas as tarefas inerentes à função do/a primeiro/a, desde que não seja ultrapassada a carga horária acordada para o desempenho de funções.

5 - Em situações de faltas imprevistas e na impossibilidade de permanência em simultâneo de dois elementos - de entre o/a educador/a, o/a animador/a e o/a assistente operacional -, o elemento presente fica com a guarda das crianças, comunica a situação ao órgão de gestão da escola e ao município e contacta os encarregados de educação para que, com a brevidade possível, recolham as crianças.

6 - A entrega das crianças só poderá efectuar-se aos encarregados de educação ou outros, desde que previamente autorizados pelos primeiros.

7 - Sempre que o horário acordado para permanência do animador no estabelecimento de ensino o permita, este auxiliará no fornecimento dos almoços, sempre que necessário.

Artigo 9.º

Supervisão pedagógica

1 - A supervisão pedagógica das actividades de apoio ao prolongamento de horário e interrupções lectivas, realizada pelo/a animador/a é da responsabilidade do/a educador/a.

2 - As actividades desenvolvidas deverão, de uma forma geral, enquadrar-se nos objectivos do Projecto Educativo Municipal;

3 - No final de cada período lectivo, os/as animadores/as deverão remeter, aos serviços de educação do município, um relatório síntese das actividades desenvolvidas.

Artigo 10.º

Avaliação e monitorização

1 - Os/as educadores/as deverão reunir, no mínimo, com os/as animadores/as:

a) No início do ano lectivo para articulação e definição de metodologias e actividades;

b) Uma vez em cada final de período para avaliação e monitorização.

2 - Das reuniões referidas no número anterior, deverão os/as animadores/as, elaborar uma acta a anexar aos relatórios referidos no artigo anterior.

Artigo 11.º

Características da componente sócio-educativa

1 - Sugerem-se as seguintes características do ambiente educativo na componente sócio-educativa:

1.1 - Espaço e Materiais:

a) Espaço "aberto" ou distribuído por ateliers de livre escolha;

b) Utilização de espaços alternativos, sempre que seja possível;

c) Materiais versáteis "diferentes" da sala de Jardim de infância;

1.2 - Tempo e Actividades:

a) Variável;

b) Ofertas diversificadas, no interior ou no exterior, que a criança escolhe livremente ou ateliers alternativos de escolha da criança;

c) Actividades planeadas e avaliadas em função do Projecto Educativo Municipal, do bem-estar e prazer das crianças e também em resposta às necessidades dos pais.

Artigo 12.º

Protocolos

As actividades integradas na componente de apoio à família podem ser objecto de protocolo de colaboração a celebrar com instituições públicas, particulares e cooperativas que desenvolvam a sua actividade na área do município.

Artigo 13.º

Casos omissos

Os casos omissos no presente Regulamento serão analisados e decididos pela Câmara Municipal de Odemira, sob proposta dos serviços competentes para o efeito.

204889018




http://dre.pt/util/getpdf.asp?s=rss&serie=2&iddr=133.2011&iddip=2011041522



Tags: que  apoio  actividades  com  das  educação  artigo  não  componente  família  período  horário  lectivo  às  dos  escolar  município  regulamento  para  por  
Actualizado em ( Quarta, 13 Julho 2011 09:47 )
 

Your are currently browsing this site with Internet Explorer 6 (IE6).

Your current web browser must be updated to version 7 of Internet Explorer (IE7) to take advantage of all of template's capabilities.

Why should I upgrade to Internet Explorer 7? Microsoft has redesigned Internet Explorer from the ground up, with better security, new capabilities, and a whole new interface. Many changes resulted from the feedback of millions of users who tested prerelease versions of the new browser. The most compelling reason to upgrade is the improved security. The Internet of today is not the Internet of five years ago. There are dangers that simply didn't exist back in 2001, when Internet Explorer 6 was released to the world. Internet Explorer 7 makes surfing the web fundamentally safer by offering greater protection against viruses, spyware, and other online risks.

Get free downloads for Internet Explorer 7, including recommended updates as they become available. To download Internet Explorer 7 in the language of your choice, please visit the Internet Explorer 7 worldwide page.