Sábado, 15 Março 2014 13:16    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Conheça os “primos” alentejanos dos dinossauros
Avaliação: / 0
FracoBom 

Conheça os “primos” alentejanos dos dinossauros

Seja Inverno ou Verão, os charcos temporários albergam espécies que se ajustam às estações do ano. Algumas remontam à pré-história, moram no Alentejo e Costa Vicentina e são “parentes” afastados dos dinossauros. Para ajudar à sua conservação está em curso o projecto “LIFE Charcos”.
14-03-2014 18:00 por Rosário Silva

O projeto "LIFE Charcos - Conservação de Charcos Temporários na Costa Sudoeste de Portugal" está no terreno para restaurar e promover a conservação deste ameaçado habitat natural.

Cyzicus grubei-LCF



"São espécies que perduram desde o tempo em que houve dinossauros no planeta Terra. Têm esta capacidade de terem permanecido e sem grandes alterações na sua morfologia", explica à Renascença, a coordenadora do projecto, Rita Alcazar. 

Triops Luis Fonseca -


"Os mais conhecidos são os Triops, uma espécie de concha antiquada, que cresce até sete centímetros, com muitas patas e três olhos", mas também há "os Cyzicus, uns camarões, que estão dentro de uma ameijoa, ou então os camarões-fada, porque andam de tal forma depressa que parece que voam, nadam de costas e tem umas cores muito engraçadas”. 

Para além destes, há ainda plantas diversas, mamíferos, répteis ou anfíbios que para sobreviver necessitam dos charcos temporários. 

Emys Paula Canha


“São zonas húmidas, mas que têm um carácter sazonal, ou seja, como dependem da pluviosidade, durante uma fase do ano - Outono, Inverno e parte da Primavera - estão encharcados e à medida que as temperaturas vão aquecendo, a água vai-se evaporando e secam completamente”, descreve Rita Alcazar. 

Neste momento, existem cerca de 120 no sudoeste alentejano, número que tem vindo a diminuir “ao longo das últimas duas décadas, a uma velocidade muito rápida, com cerca de 50% dos charcos temporários a serem destruídos”.

Este projecto europeu está a ser implementado no Sítio de Interesse Comunitário (SIC) da Costa Sudoeste da Rede Natura 2000, parcialmente coincidente com o Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, e tem coordenação da Liga para a Proteção da Natureza (LPN). 

Carla Pinto_Cruz_Charco Mirouco



As principais ameaças
Mas a fragilidade ecológica e o desconhecimento do seu valor natural, a intensificação da agricultura industrializada e o turismo são factores de declínio deste habitat o que levou à procura de parceiros para o desenvolvimento de actividades de campo no âmbito da prevenção e sensibilização. 

Para além da LPN, juntam-se ao “LIFE Charcos”, a Universidade de Évora, a Universidade do Algarve, o Centro de Ciências do Mar, a Câmara de Odemira e também a Associação de Beneficiários do Mira. 

Segundo a responsável, no caso dos agricultores “é importante saberem, por exemplo, que aquele pedaço de terreno, que consideram que está mal drenado e  não tem as condições adequadas para a produção, pode ser uma mais-valia em termos ambientais”.

Por outro lado, afirma Rita Alcazar, “os agricultores podem ganhar muito, uma vez que algumas espécies são também importantes no controlo de determinadas pragas de insectos”. 

Até 2017, a equipa envolvida neste projecto, financiado pela Comissão Europeia, espera conhecer todos os charcos existentes na área de intervenção, determinar regras para a gestão e conservação dos habitats e provar que podem ser recuperados e tornar-se uma mais-valia ambiental.

RR



Tags: que  charcos  para  dos  são  uma  conservação  projecto  está  costa  dinossauros  temporários  espécies  life  sudoeste  tem  muito  rita  inverno  seja  
 

Your are currently browsing this site with Internet Explorer 6 (IE6).

Your current web browser must be updated to version 7 of Internet Explorer (IE7) to take advantage of all of template's capabilities.

Why should I upgrade to Internet Explorer 7? Microsoft has redesigned Internet Explorer from the ground up, with better security, new capabilities, and a whole new interface. Many changes resulted from the feedback of millions of users who tested prerelease versions of the new browser. The most compelling reason to upgrade is the improved security. The Internet of today is not the Internet of five years ago. There are dangers that simply didn't exist back in 2001, when Internet Explorer 6 was released to the world. Internet Explorer 7 makes surfing the web fundamentally safer by offering greater protection against viruses, spyware, and other online risks.

Get free downloads for Internet Explorer 7, including recommended updates as they become available. To download Internet Explorer 7 in the language of your choice, please visit the Internet Explorer 7 worldwide page.