Sexta, 28 Março 2014 15:19    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Médico Francisco George sonhava com saúde para ricos e pobres
Avaliação: / 1
FracoBom 

25 Abril: Médico Francisco George sonhava com saúde para ricos e pobres

ARTIGO | 

Francisco George passou a revolução de bata branca, a pedido do Movimento das Forças Armadas (MFA), e quando os cravos encheram as ruas festejou com os colegas a esperança de saúde igual para ricos e pobres.
“Quando a emissora anunciou o comunicado oficial de rendição do governo, todos nós nos abraçámos a chorar. Festejávamos, ríamos. Foi um momento absolutamente inesquecível e fantástico”, contou à Lusa o atual Diretor-Geral da Saúde, que tinha 26 anos no dia 25 de abril de 1974.
Com o curso terminado no ano anterior, trabalhava no Hospital de Santa Marta, em Lisboa, para onde foi com o pai, então diretor da instituição.
“Não obstante a expressa preocupação de não fazer correr a mínima gota de sangue de qualquer português, apelamos para o espírito cívico e profissional da classe médica esperando a sua ocorrência aos hospitais, a fim de prestar a sua eventual colaboração que se deseja, sinceramente, desnecessária”, ouviu-se antes das 04:00 do dia 25 de Abril, através da Rádio Clube Português.
Viveram-se horas “de grande expectativa e ansiedade, mas também de confiança pela vitória que já se avizinhava, até pelos movimentos populares que rodeavam os revoltosos”.
A certa altura, contou Francisco George, não resistiu: “Ao princípio da tarde fui ao Carmo, onde assisti à rendição do antigo presidente do conselho e àqueles movimentos todos que aconteceram. Foram acontecimentos inesquecíveis.”
Voltou ao hospital, onde festejou com os colegas a vitória da revolução. “Estávamos todos unidos. Portugal parecia uma família, não havia desunião.”
A estes médicos seria pedido, em breve, um papel importante na alteração dos indicadores de saúde pública que envergonhavam o país e eram, inclusivamente, usados pela oposição ao regime.
“Portugal era outro. Os portugueses viviam com grande dificuldade e os indicadores de saúde pública traduziam” isso.
Francisco George passaria, anos depois, por desafios como a sida, a pandemia de gripe, a ameaça de bioterrorismo ou as silenciosas doenças crónicas, mas, em 1974, era a impotência perante a morte de crianças com menos de um ano que o assombrava.
“A taxa de mortalidade infantil, indicador que traduz com grande clareza a situação não só sanitária, como de desenvolvimento, era muito alta. Ao nascerem, as crianças tinham uma probabilidade muito alta de não atingir o primeiro ano”, disse.
Esse valor - 44,8 por mil - “colocava Portugal no final dos países europeus. Hoje não chega a três” por mil.
Num país em que a assistência estava pulverizada nos postos de serviços médico sociais (os chamados postos da caixa) e os centros de saúde tinham sido criados há muito pouco tempo, era a iniquidade que mais atormentava os profissionais de saúde. “A falta de igualdade tem uma carga de imoralidade: os pobres tinham mais dificuldades, os ricos tinham acesso fácil”, afirmou.
Francisco George recorda “um pequeno livro que foi muito expandido sobre o lançamento das bases do SNS”, escrito pelo médico e major Cruz Oliveira, e que visava incentivar o debate em torno do que seria para Portugal um SNS que acabasse com as desigualdades, as iniquidades e facilitasse o acesso”.
“Gizemos todos um plano que se possa rapidamente concretizar. Ele será mais uma prova da enorme capacidade criadora do povo português”, lê-se numa passagem do livro, eleita por Francisco George.
Os tempos seguintes, recordou, foram de “grande mobilização”: “Fomos servir para a província, para toda a periferia.”
O curso médico do atual Diretor-Geral da Saúde foi o primeiro a ser colocado na província. Calhou-lhe Odemira, onde foi médico em Vila Nova de Milfontes, Santa Clara e Saboia.
“Encontrei um país pobre, muito rural, com muitos problemas de acesso e cidadãos com poucos direitos. As pessoas morriam cedo”.
A experiência foi de tal forma “entusiasmante” que pediu para continuar na província, onde fez carreira antes de voltar aos grandes centros.
A sida assustou-o nos anos 80, quando se encontrava no Congo a trabalhar para a Organização Mundial de Saúde, e revelou a dimensão do risco de uma nova doença.
Francisco George elege agora as doenças crónicas não transmissíveis – vasculares, oncológicas, respiratórias crónicas e a diabetes – como o grande desafio da saúde dos portugueses, 40 anos depois.
Sobre o mérito da revolução, é perentório: “Ninguém sabe, mesmo os que poderão ser contra o 25 de Abril, o que foi viver antes do 25 de Abril.”
“E os que escolheram – num concurso recente – a figura de Salazar como símbolo também não sabem quem foi Salazar”, concluiu.

jornaldamadeira



Tags: que  com  saúde  para  george  não  francisco  foi  médico  abril  muito  ricos  onde  pobres  grande  uma  todos  era  tinham  por  
 

Your are currently browsing this site with Internet Explorer 6 (IE6).

Your current web browser must be updated to version 7 of Internet Explorer (IE7) to take advantage of all of template's capabilities.

Why should I upgrade to Internet Explorer 7? Microsoft has redesigned Internet Explorer from the ground up, with better security, new capabilities, and a whole new interface. Many changes resulted from the feedback of millions of users who tested prerelease versions of the new browser. The most compelling reason to upgrade is the improved security. The Internet of today is not the Internet of five years ago. There are dangers that simply didn't exist back in 2001, when Internet Explorer 6 was released to the world. Internet Explorer 7 makes surfing the web fundamentally safer by offering greater protection against viruses, spyware, and other online risks.

Get free downloads for Internet Explorer 7, including recommended updates as they become available. To download Internet Explorer 7 in the language of your choice, please visit the Internet Explorer 7 worldwide page.