Terça, 13 Maio 2014 02:08    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Odemira contesta encerramento da Maternidade
Avaliação: / 0
FracoBom 

Odemira contesta encerramento da Maternidade

Rádio Pax - 13/05/2014 - 00:08

Odemira contesta encerramento da Maternidade

A Assembleia Municipal de Odemira e a Câmara Municipal aprovaram, por unanimidade, uma moção contra o encerramento dos serviços de obstetrícia do Hospital de Beja.  

Odemira “exige” a revisão da portaria publicada no mês passado que pode levar ao fecho da maternidade.

Se tal acontecer, as grávidas do concelho e respectivas famílias são obrigadas a deslocações muito superiores a 200 quilómetros.

De acordo com a autarquia, o encerramento dos serviços de obstetrícia do Hospital de Beja, sem que o mesmo esteja previsto para o Hospital do Litoral Alentejano, leva a que “os filhos do Baixo Alentejo e Alentejo Litoral ou nascem no Centro Hospitalar do Algarve, EPE ou no Hospital Espírito Santo de Évora, EPE!”.

Os autarcas de Odemira defendem “a necessidade de manter um Serviço
Nacional de Saúde para todos os cidadãos”. Por outro lado, “exigem” a imediata revisão da portaria e a auscultação dos autarcas no processo de reforma do Serviço Nacional de Saúde.


Posted: 2014-05-13 01:08:00

radiopax


Odemira: Câmara e Assembleia Municipal contra o encerramento da maternidade de Beja
A Assembleia e a Câmara Municipal de Odemira aprovaram, por unanimidade, uma moção contra o encerramento dos serviços de obstetrícia do Hospital de Beja (Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo, EPE), prevista pela portaria n.º 82/2014 de 10 de Abril, “uma espécie de proposta de mapa hospitalar que vem racionalizar, mais uma vez, o Serviço Nacional de Saúde.”

Odemira exige a revisão da portaria e alerta que o encerramento da maternidade de Beja irá obrigar as grávidas do concelho e respetivas famílias a deslocações muito superiores a 200 quilómetros.

A portaria revela o encerramento dos serviços de obstetrícia do Hospital de Beja e não prevê esse serviço no Hospital do Litoral Alentejano. “Os filhos do Baixo Alentejo e Alentejo Litoral ou nascem no Centro Hospitalar do Algarve, EPE ou no Hospital Espirito Santo de Évora, EPE!”, sendo que aqueles serviços também não estão previstos no Centro Hospitalar de Setúbal.

Para os autarcas de Odemira, “não existe mais lugar a dúvidas sobre a estratégica deste Governo em condicionar, degradando objetivamente, a resposta do Serviço Nacional de Saúde.

A intenção é visível e pretende obter uma certa ideia nas pessoas de que o serviço público, despesista e obsoleto, pode e deve ser substituído por um serviço privado, supostamente moderno e de resposta eficiente.”

A moção denúncia que cinco dias depois da publicação da portaria, o Ministro Paulo Macedo veio dizer que “O Ministério da Saúde garante que, no âmbito do diploma em questão, o encerramento de qualquer maternidade, não se coloca”.

Mas a portaria é clara sobre esta questão. Esta é uma portaria assinada pelo Secretário de Estado da Saúde que reforma profundamente o Serviço Nacional de Saúde e aprofunda ainda mais as já debilitadas condições de acesso dos cidadãos à saúde.

Nos últimos 10 anos, o Baixo Alentejo (os 18 concelhos das NUT III Baixo Alentejo e Alentejo Litoral) teve uma média anual de 1902 nascimentos/ano (Odemira representa 10% desses nascimentos) e teve um decréscimo de nascimentos muito inferior à média nacional (9,1% no Baixo Alentejo contra 20% de diminuição a nível nacional).

Os autarcas de Odemira afirmam “a necessidade de manter um Serviço Nacional de Saúde para todos os cidadãos, melhorando o acesso aos cuidados de saúde, a necessidade de reformar o Serviço Nacional de Saúde e continuamente introduzir melhorias na sua organização de modo a prestar cuidados de saúde de qualidade”, exigindo “a imediata revisão e esclarecimento da Portaria n.º 82/2014 de 10 de Abril, no sentido da não extinção do serviço de obstetrícia da Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo, EPE”.

É ainda exigido que “a reforma hospitalar e a reforma do Serviço Nacional de Saúde sejam feitas ouvindo as Autarquias, que estão sempre disponíveis para juntar esforços e criar sinergias ao serviço das populações que representam e servem.”

Foi deliberado o envio da moção ao Presidente da República, Primeiro-Ministro, Ministro da Saúde, Secretário de Estado Adjunto do Ministro da Saúde, Grupos Parlamentares,  Administração Central do Sistema de Saúde, I.P., Administração Regional de Saúde do Alentejo, Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo,  todas as Câmaras e Assembleias Municipais do Alentejo,à CIMAL, à CIMBAAL e respetivas Assembleias Intermunicipais. 


Terça-Feira, 13 de Maio de 2014

Esta e outras noticias em destaque nos Noticiários Regionais da Rádio Sines



Actualizado em ( Quarta, 14 Maio 2014 14:21 )
 

Your are currently browsing this site with Internet Explorer 6 (IE6).

Your current web browser must be updated to version 7 of Internet Explorer (IE7) to take advantage of all of template's capabilities.

Why should I upgrade to Internet Explorer 7? Microsoft has redesigned Internet Explorer from the ground up, with better security, new capabilities, and a whole new interface. Many changes resulted from the feedback of millions of users who tested prerelease versions of the new browser. The most compelling reason to upgrade is the improved security. The Internet of today is not the Internet of five years ago. There are dangers that simply didn't exist back in 2001, when Internet Explorer 6 was released to the world. Internet Explorer 7 makes surfing the web fundamentally safer by offering greater protection against viruses, spyware, and other online risks.

Get free downloads for Internet Explorer 7, including recommended updates as they become available. To download Internet Explorer 7 in the language of your choice, please visit the Internet Explorer 7 worldwide page.