Terça, 07 Julho 2015 10:02    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Ir à praia do Malhão? Neste mês, só se for a pé
Avaliação: / 0
FracoBom 

Ir à praia do Malhão? Neste mês, só se for a pé

Ir à praia do Malhão? Neste mês, só se for a pé

No Litoral Alentejano, zona está vedada e interdita ao trânsito devido a trabalhos ainda em curso para melhorar acessibilidade. Em todo o país, há mais 25 praias em obras

Neste verão José e Ana Ramalho já não voltam à praia do Malhão. "Com tanto tempo para fazerem as obras, tinha de ser logo agora?", lamentavam ontem estes habitués da praia no concelho de Odemira, que fica entre Milfontes e Porto Covo. Há mais de 20 anos que o casal de Lisboa escolhe este extenso areal como "paraíso de férias", assim lhe chama, mas desta vez foi ao engano. O acesso à praia está vedado ao trânsito, com gradeamentos que delimitam a zona de intervenção, dotada de um estaleiro, com retroescavadoras, onde as terraplanagens já estão em marcha. Aliás, logo quando os carros passam do alcatrão para a terra batida surge o aviso de trânsito proibido a 1600 metros.

"Hoje deixámos o carro a mais de 500 metros da praia e ainda fomos a pé, mas amanhã já vamos para a praia em frente à ilha do Pessegueiro. Isto é insuportável", lamentava Ana, que se limitou a deixar o carro na falésia, descendo por um difícil acesso (bastante íngreme) até ao areal. Aliás, como os restantes veraneantes - cerca de 50 - que ontem passaram a tarde na praia do Malhão.

Já Otília Neves, que teve de carregar com os brinquedos dos dois netos pela falésia acima, também não aceita as obras nesta época do ano. "Antes da intervenção dava para levar o carro mais uns 300 metros e havia estacionamento à farta", dizia esta frequentadora do parque de campismo, ali ao lado, que conhece o caminho alternativo pela praia dos Aivados, mas garante que "ainda é mais longe". Por isso, prefere antes corroborar da opinião transmitida ao DN pelo casal Ramalho: "Se o Malhão é uma praia selvagem, para que estão a fazer obras? Oxalá não estraguem."

A intervenção avança pela mão da Sociedade Polis, mas contou com a aprovação da autarquia de Odemira. "A época é a pior, sabemos disso, mas ficámos entre a espada e a parede e decidimos que o melhor era mesmo avançar", explica o presidente da câmara, José Guerreiro, justificando que o quadro comunitário está no fim, pelo que havia o risco de se perder o financiamento de 798 mil euros.

O projeto contempla, afinal, a melhoria de acessos, permitindo mesmo que deficientes motores cheguem ao areal, a par da construção de estacionamento e a criação de condições para erguer um apoio de praia. Além do combate às plantas invasoras que por aqui proliferam, caso do chorão. "A austeridade obrigou a adiar obras no país, teve de ser feita a reavaliação do Polis durante mais de um ano e não restou

alternativa", admite o edil, tendo sido o mesmo critério aplicado a Almograve e nos portinhos de pesca, também em Odemira. "Percebemos que as pessoas estejam chateadas, mas vai ser por uma boa causa", disse o autarca.

O Malhão junta-se a outras 25 praias que começam o verão em obras, juntando zonas balneares que se estendem de norte a sul do país, entre Caminha e Lagos, segundo dados da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), que exibe uma lista na qual se conta, por exemplo, a execução das infraestruturas associadas à utilização da praia da Gelfa, aquela que está situada mais a norte (Caminha).

Segue-se, entre outros, a intervenção nas infraestruturas de apoio ao uso balnear na praia da Ramalha, em Esposende, proteção da foz do rio do Esteiro e da marginal marítima de A Ver-o-mar (Póvoa do Varzim), mas também a arriba da praia de São Bernardino (Peniche) ou o reforço de proteção costeira para minimização do risco da Praia Grande (Sintra). Diz também o caderno da APA que durante este mês deverá estar concluída a estabilização das praias da Rainha, Carcavelos, Poça e Parede (Cascais) e também a alimentação artificial da praia de D. Ana, em Lagos, que foi iniciada em abril, para duplicar o seu areal, após ter sido considerada a "praia mais bonita do mundo", pela revista Condé Nast Traveller e a "melhor praia de Portugal", pela TripAdvisor.

"Talvez esteja concluída antes de dia 15", admite o vereador Paulo Jorge, que também alega a necessidade de se aproveitarem os fundos comunitários dentro dos timings, lamentando os prejuízos para veraneantes e comércio. "Não podíamos adiar esta obra mesmo por uma questão de segurança. Além de quase não haver praia na maré cheia, a falésia precisa de ser consolidada. Isso só é possível com o enchimento de areia", justifica o autarca, revelando que os banhistas que têm frequentado a praia - a parte norte do areal está disponível - não deverão preocupar-se com a cor mais escura da areia dragada.

dn

  • José Guerreiro ·  Comentador principal · Silves
    Vão fazer a mesma merda que têm feito nas arribas do litoral algarvio que é rocegar o topo das falésias para retirar pedras e ao mesmo tempo o mato que sustenta a própria arriba;com a desculpa das derrocadas;que de facto existem mas por outras razões que é a falta de humidade que mantém os chorões e outras plantas que sustentam os terrenos com as raízes e a própria secagem em profundidade dos terrenos aumenta-lhes a erosão.
    Tantos cursos universitários e cada vez mais o pessoal técnico dos serviços responsáveis pela orla costeira tem de tudo menos de técnico.
    Séculos atrás na nossa História o Rei Dom Dinis sem gabinetes técnicos nem tecnologias de ponta conseguio travar os avanços da erosão do mar mandando plantar o pinhal de Leiria.
    E drenando terrenos pantanosos de forma a permitir o cultivo neles,a isso chamo eu Homens com H grande.
    • José Guerreiro ·  Comentador principal · Silves
      Esqueci-me de mencionar que esse mesmo pinhal alimentou de madeira a construção da nossa frota patrocinando os descobrimentos e ainda hoje alimentam as indústrias de móveis da região.
      Se houve pessoas com uma visão futurista a nível económico e não só este Homem foi um d'eles.
      Se juntar os neurónios de toda a nossa classe politica não criariamos um Estarlapiteco.
    • Kaiser Rebellion · Colegio Nossa Senhora da Graça
      senhor guerreiro, permita-me corrigi-lo, eu falo como um dos trabalhadores desta obra em que as pessoas tem de "de fazer 300 a 500 metros a pé até á praia, que digo que é mentira. quem quiser aceder á praia principal pode fazer de carro que encontrará parque para estacionar. A unica coisa que mudou foi o acesso á segunda praia que tem de ser feita a pé por motivos de segurança , porque temos várias maquinas em movimento. as obras consistem em 2 parques de estacionamento , sem o recurso a alcatrão, a estrada desde o sitava ate á praia com estrada alargada e passeio para acesso pedonal, apoio de praia e consolidar diversas arribas.nós so pedimos a compreensão das pessoas, mas na minha opiniao , tambem lhe digo que devia ter-se iniciado as obras mais cedo.eu conheço o malhão desde criança , moro em vila nova de milfontes desde sempre e acabando por pagar impostos, desejo que possa ir á praia em condiçoes
    • Kaiser Rebellion · Colegio Nossa Senhora da Graça
      e outro ponto.As pessoas sempre estacionaram nas falésias , desde sempre. Nao percebo a admiração por as pessoas terem de fazer 50 metros a pé , em que sempre se fez. agora acho triste publicarem as noticias e escreverem só o que lhes convem.boas tardes e peço desculpa pelos meus erros ortográficos, sou um Homem de trabalho, trabalho com enxadas , nao com canetas
      • Antonio Cardoso ·  Comentador principal · Prep.Lab Chemist na empresa Mitkem Labs
        Isto e tipico do portugas.



      Tags: que  praia  para  com  mais  por  não  obras  mas  responder  gosto  às  malhão  mesmo  foi    dos  pessoas  pela  também  
       

      Your are currently browsing this site with Internet Explorer 6 (IE6).

      Your current web browser must be updated to version 7 of Internet Explorer (IE7) to take advantage of all of template's capabilities.

      Why should I upgrade to Internet Explorer 7? Microsoft has redesigned Internet Explorer from the ground up, with better security, new capabilities, and a whole new interface. Many changes resulted from the feedback of millions of users who tested prerelease versions of the new browser. The most compelling reason to upgrade is the improved security. The Internet of today is not the Internet of five years ago. There are dangers that simply didn't exist back in 2001, when Internet Explorer 6 was released to the world. Internet Explorer 7 makes surfing the web fundamentally safer by offering greater protection against viruses, spyware, and other online risks.

      Get free downloads for Internet Explorer 7, including recommended updates as they become available. To download Internet Explorer 7 in the language of your choice, please visit the Internet Explorer 7 worldwide page.