Segunda, 01 Fevereiro 2016 11:21    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Vandalismo e corridas na gravilha atrasam obras na praia do Malhão
Avaliação: / 4
FracoBom 

Vandalismo e corridas na gravilha atrasam obras na praia do Malhão

Roubo de sinais de trânsito, destruição de pinos e degradação do piso prejudicam projeto anti-erosão

Era apontada pelo projeto Polis do Litoral Sudoeste (PLS) como uma intervenção inovadora nas praias portuguesas e uma solução para a erosão daquela costa. A verdade é que ainda antes da conclusão das obras no parque de estacionamento na praia do Malhão, em Odemira, já o pavimento e balizadores de plástico reciclado foram destruídos e os sinais de trânsito roubados. Apesar deste revés, os responsáveis garantem que a requalificação termina até à próxima época balnear.

A gestão do Polis já perdeu a paciência e há cerca de um mês apresentou queixa na GNR para tentar travar a destruição no Malhão, intervenção orçada em 1,2 milhões de euros. Mas nem as autoridades têm conseguido impedir que, por exemplo, alguns "aceleras" ali se desloquem durante a noite com viaturas todo-o-terreno para radicais gincanas. "Têm dado cabo disto", lamenta João Alves, administrador do PLS, justificando que este género de pavimento está preparado para suportar viaturas que circulem a 20 ou 30 quilómetros por hora. "Vêm para aqui com malabarismo a velocidades de 70 ou 80 quilómetros por hora e fazem saltar a gravilha", sublinha, numa altura em que a própria estrutura de alvéolos - uma tela com a função de suster a gravilha - também já apresenta danos em ambos os parques com uma capacidade total de 600 lugares, distribuídos por dois hectares.

Os técnicos classificam a zona como "extremamente sensível", após ter estado durante anos sujeita a uma utilização "completamente selvagem e desregrada". João Alves aponta os fortes problemas de erosão devido à destruição da vegetação provocada pelas viaturas, tornando o Malhão muito vulnerável às escorrências das águas das chuvas.

"Sem vegetação aumentava a erosão", explica, o que levou a avançar aqui com uma solução que é um dos "últimos gritos" na costa portuguesa: a drenagem e o encaminhamento das águas pluviais para zonas contidas e com recurso à "engenharia natural", com a sustentabilidade das zonas de ravinamento através de materiais naturais (pedra e madeira), para reter a água, impedindo que as chuvas continuem a escavar barrancos nas arribas.

O próprio parque de estacionamento também foi pensado para permitir a infiltração de águas, reduzindo o escorrimento superficial e permitindo que as pessoas circulem nas viaturas naquele pavimento sem provocarem pó.

Dúvidas sobre a circulação

A reposição dos sinais e dos pilaretes, entretanto furtados, será um dos passos que se seguem, até porque a sinalização é apontada como determinante para ajudar os automobilistas a entenderem o funcionamento do parque.

Isto após algumas críticas em torno da dificuldade na realização de manobras entre os pinos, como alerta o presidente da Câmara de Odemira, José Guerreiro. O autarca chama ainda atenção para a necessidade de ser dada "outra coloração" aos parques, defendendo que em termos ambientais a solução "não está devidamente integrada. Mas já foi assumido pela equipa técnica que é preciso fazer esse reforço, até mesmo em termos paisagísticos, porque a sinalização também não resulta bem. No papel parecia uma coisa mas no terreno é diferente", diz José Guerreiro.

O administrador do Polis responde: "A correção que há a fazer é na sinalização e na orientação da circulação da entrada, tal como no acesso do estacionamento. Ainda não está terminada a colocação desses painéis de grande dimensão", assegura, garantindo que quando os parques estiverem operacionais os automobilistas "não vão ter dificuldades em estacionar" as viaturas nos respetivos lugares, que obedecem ao tamanho regulamentar de 2,5 metros.

"Poderá haver necessidade de alguma afinação em alguns ângulos de entrada ou saída na colocação dos pilaretes. Cá está, estamos em testes para encontrar as melhores soluções", justifica João Alves, deixando claro que nem todas as viaturas vão ser autorizadas a entrar no terreno.

Por exemplo, autocaravanas de grande dimensão não vão passar, mas vai haver serviço de transporte público com autocarro. Estão previstas reuniões entre os representantes do Polis com a Guarda Republicana e a Autoridade Marítima no sentido de articular procedimentos e fazer fiscalização, garantindo disciplina na utilização de ambos os parques, cujo projeto procurou "escondê-los o máximo possível" entre a paisagem.

dn



Tags: que  para  com  uma  viaturas  malhão  não  das  como  gravilha  dos  por  polis  praia  mas  obras  parques  está    erosão  
 

Your are currently browsing this site with Internet Explorer 6 (IE6).

Your current web browser must be updated to version 7 of Internet Explorer (IE7) to take advantage of all of template's capabilities.

Why should I upgrade to Internet Explorer 7? Microsoft has redesigned Internet Explorer from the ground up, with better security, new capabilities, and a whole new interface. Many changes resulted from the feedback of millions of users who tested prerelease versions of the new browser. The most compelling reason to upgrade is the improved security. The Internet of today is not the Internet of five years ago. There are dangers that simply didn't exist back in 2001, when Internet Explorer 6 was released to the world. Internet Explorer 7 makes surfing the web fundamentally safer by offering greater protection against viruses, spyware, and other online risks.

Get free downloads for Internet Explorer 7, including recommended updates as they become available. To download Internet Explorer 7 in the language of your choice, please visit the Internet Explorer 7 worldwide page.