Quinta, 23 Julho 2009 14:51    PDF Versão para impressão Enviar por E-mail
Odemira estuda poluição do ar nos bebés
Avaliação: / 0
FracoBom 
Baixo peso à nascença e partos prematuros são duas das variáveis estudadas pelos Centros de Saúde do Litoral Alentejano, que estão a analisar os efeitos da poluição do ar na saúde dos bebés nascidos desde 2007.

 


 

Baixo peso à nascença e partos prematuros são duas das variáveis estudadas


Litoral Alentejano
 
Centros de Saúde estudam efeitos da poluição do ar nos bebés 
23.07.2009 - 12h51 Lusa

Baixo peso à nascença e partos prematuros são duas das variáveis estudadas pelos Centros de Saúde do Litoral Alentejano, que estão a analisar os efeitos da poluição do ar na saúde dos bebés nascidos desde 2007.

O estudo inclui todas as crianças nascidas no Alentejo Litoral entre 1 de Janeiro de 2007 e 31 de Dezembro de 2010, o que representa um total estimado de 3295 pares mãe/criança, 549 dos quais com origem no concelho de Sines. O estado da saúde infantil é medido através da recolha de informações sobre a gestação, nascimento e crescimento das crianças, bem como de dados acerca do ambiente social e demográfico em que se desenvolvem os bebés, nas unidades de saúde dos cinco concelhos da sub-região (Odemira, Sines, Santiago do Cacém, Grândola e Alcácer do Sal).

Esta é uma forma de "conseguir explorar relações possíveis entre os poluentes ambientais e os problemas de saúde das populações", explicou hoje Fernanda Santos, que representa a Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo no projecto.

A recolha de dados teve início no mês passado, segundo Fernanda Santos, Delegada de Saúde Pública de Sines, utilizando as informações constantes dos Boletins de Saúde da Grávida e Infantil e recorrendo à realização de um inquérito de carácter psicossocial junto das grávidas e jovens mães. Desenvolvido pelo ISCTE - Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa, o inquérito coloca questões relacionadas com hábitos e estilo de vida, como a existência de fumadores na família ou o contacto frequente com pesticidas.

O estudo insere-se no projecto GISA - Gestão Integrada da Saúde e Ambiente e estará em execução nos cinco municípios alentejanos até ao final de 2010, traduzindo-se num investimento total de 1,183 milhões de euros. O GISA reúne ainda universidades e empresas da região, com vista à construção de um sistema de monitorização da qualidade ambiental e da saúde, que congregue resultados sobre a situação actual e que permita produzir dados em permanência a partir de 2011.

De acordo com Fernanda Santos, as crianças correspondem a um grupo "particularmente vulnerável (principalmente no primeiro ano de vida) e há evidência científica para inferir da relação causal entre a poluição atmosférica e problemas de saúde". Em análise estão dados relativos à mortalidade infantil, baixo peso à nascença, atrasos no desenvolvimento intra-uterino, nascimentos prematuros e malformações congénitas. Para o efeito, são tidos em conta o desenvolvimento da criança até aos dois anos e os antecedentes obstétricos da mãe, assim como outras informações sobre a gravidez e período neo-natal.

No início de 2010, o projecto GISA acumulará outro estudo na área da saúde, com a finalidade de perceber "se existem na região mais doenças do que noutras zonas do país, que possam estar relacionadas com a poluição, como o cancro e os problemas respiratórios", adiantou a delegada de saúde. "Faremos uma amostra dos 100 mil utentes do Litoral Alentejano e analisaremos os ficheiros médicos sob o ponto de vista da morbilidade e mortalidade da população em geral", explicou a responsável.


Posted: 2009-07-23 13:51:00



Tags: saúde  que  com  poluição  dos  das  litoral  bebés  peso  baixo  dados  como  nascença  prematuros  são  alentejano  projecto  estudadas  crianças  problemas  
Actualizado em ( Quinta, 23 Julho 2009 18:23 )
 

Your are currently browsing this site with Internet Explorer 6 (IE6).

Your current web browser must be updated to version 7 of Internet Explorer (IE7) to take advantage of all of template's capabilities.

Why should I upgrade to Internet Explorer 7? Microsoft has redesigned Internet Explorer from the ground up, with better security, new capabilities, and a whole new interface. Many changes resulted from the feedback of millions of users who tested prerelease versions of the new browser. The most compelling reason to upgrade is the improved security. The Internet of today is not the Internet of five years ago. There are dangers that simply didn't exist back in 2001, when Internet Explorer 6 was released to the world. Internet Explorer 7 makes surfing the web fundamentally safer by offering greater protection against viruses, spyware, and other online risks.

Get free downloads for Internet Explorer 7, including recommended updates as they become available. To download Internet Explorer 7 in the language of your choice, please visit the Internet Explorer 7 worldwide page.